março 09, 2009

Cavaco Silva pede solidariedade aos portugueses

"O Presidente da República está preocupado com o elevado índice de desemprego e os novos riscos de pobreza e lança um apelo à consciência social e à solidariedade dos portugueses em relação aos mais carenciados".

 

Também eu, ele tem a razão, mas acontece que pelo que me lembro sempre vi os mais carenciados a ajudar ao mais carenciados.

Ou seja aqueles que só têm 5 moedas dar uma a alguém que não tem nenhuma.

Mas raramente vi alguém com mais de 100 moedas dar 2 moedas a quem não tem nenhuma.

 

E isso será o que vai acontecer novamente.

 

Vejam o exemplo da "desgraçada EDP" que conseguiu os lucros que conseguiu enquanto existem portugueses sem dinheiro para pagar a conta da electricidade.

E a GALP que sabia aumentar os combustíveis no segundo, mas só os podia baixar passado um mês?

Para não falar em todas as empresas a este nível que no mínimo deviam ter consciência social e não só consciência do seu "mealheiro".

 

E o mesmo digo dos particulares que nem precisam de poupar nos momentos de crise, mas enquanto isso, também não são capazes de partilhar com os que já nem a poupar se safam.

4 comentários:

DANTE disse...

Cada vez mais se aplica a frase: Se eu não tomar conta de mim ninguém toma.

Jokas :)

O Fio da Meada disse...

não deixa de ser irónico ouvir falar esse indivíduo até porque boa parte desta crise é da sua responsabilidade, ou esse sr já se esqueceu que quando foi PM entraram milhões vindos da CEE, posteriormente UE sob a forma de quadros comunitários para o desenvolvimento e sustentação económica, e a única coisa que esse sr construiu foi auto-estradas (com derrapagens orçamentais brutais), e comissões para avaliar não se sabe bem o quê, que só serviram mesmo como veículo de gamanço feroz

ah ok, ele está a contar com a fraca memória lusitana

irra que até me dá calores quando oiço esse gajo a falar

:(

filha do administrador disse...

pois, mas eu ao contrário de muito sempre fui "pró-cavaco" e continuo sendo
não fui contra as auto-estradas, nem outras vias de comunicação (ainda não vi ninguém deixar de usar auto-estradas e vias-rápidas porque estão a mais).
também falando da fraca memória Lusitana... por acaso até foi ele que acabou com a bolha na bolsa Portuguesa, na altura com muitas criticas por quem tinha feito fortunas e estava à espera de fazer mais. Afinal era só um sintoma do que viria a acontecer, talvez se todos os outros governos dos outros paises tivessem aberto os olhos e colocado o dedo da ferida não tivessemos chegado aqui hoje.
E já agora é sempre interessante ver como somos tidos em conta por nós próprios :D os Portugueses responsáveis pela crise mundial!!!
lindo, somos os maiores :D

O Fio da Meada disse...

Dina,
eu não sou contra as auto-estradas, ou ao desenvolvimento em geral, eu critico as derrapagens orçamentais brutais de todas as obras públicas, a criação de empresas fantasma, a sustentação dos grandes lobis, as comissões e administrações de fachada, eenfim, o desbaratamento selvagem dos dinheiros comunitários, sem que se criasse um organismo de fiscalização

e isso minha amiga é da responsabilidade do governo e especificamente de quem o preside

resultado, a industria, agricultura e pescas ficaram na mesma senão piores, a produção baixou (muitos sectores até se extinguiram)e o país com as fronteiras abertas aos produtos dos outros, que se modernizaram, que se organizaram, etc. e nós, (com uma dependência quase total do estrangeiro), como já li num caderno económico, só temos como alternativa (eventualmente viável) o turismo (que é exactamente o mesmo do tempo pós 25 de abril)

quanto à bolha na bolsa, claro que teve de agir o banco central e a antiga cvm (agora cmvm) que fiscalizam e regulam as actividades das bolsas assim o exigiram, foi obrigado a tal.

:|