outubro 22, 2007

Não tenho cá vindo ...

Mas não é por isso que tenho deixado de acompanhar as noticias e até tenho tido “histórias” que valiam ser contadas, mas como a maioria não se passou comigo e as pessoas envolvidas não se queixam … para quê ser eu a falar do assunto!!

Ando a aprender umas coisas ultimamente e uma delas é:

“não vale a pena ajudar quem não se ajuda”.

Só para terem uma ideia, eu tenho a desgraçada tendência de “gritar” contra as injustiças (pelo menos que eu considero injustiças) e normalmente ainda mais quando as situações envolvem outras pessoas que não eu.

Durante muito tempo, anos até, sempre fiz questão de dar a minha opinião sobre situações que me revoltavam, enfrentar chefes, enfrentar colegas, passageiros de autocarro e Metro…
Raramente conseguia ficar calada quando, por exemplo, no Metro entrava uma grávida ou alguém com dificuldades em andar e ninguém lhe dava lugar. Revoltava-me a indiferença das pessoas, o egoísmo…, mas até nestas situações aprendi.

Entrou uma dessas grávidas sem lugar para se sentar, levantei-me e fiz questão de lhe indicar o meu lugar …

Respondeu-me: não me quero sentar!
Insisti: mas é perigoso ir em pé e o lugar é seu, pode cair
Resposta prontíssima que me deixou de boca aberta: e se cair qual é o problema?

Escusado será dizer que eu não me sentei por teimosia e ela não se sentou porque não se queria defender de nenhum acidente… o lugar ficou vago até à saída dela, 5 estações à frente.

Agora só me levanto depois de ter chamado a pessoa e de ela concordar em sentar-se, senão nem me mexo.

E isto é só um exemplo com um desconhecido, porque com conhecidos as situações ainda são mais caricatas.

Muito se aprende em cada dia de vida em sociedade.

2 comentários:

Cadinho RoCo disse...

Vá entender o que passa pelo íntimo das pessoas!
http://cadinhoroco.sabrisweb.com

Keops disse...

Pura verdade! Por outras palavras,a primeira condição para uma ajuda, é querer ser ajudado.Curioso como quem deveria estar incomodado era a senhora grávida e não quem por formação lhe quis dar o lugar! Deste episódio, uma aquisição, uma nova postura. Que seja tranquilamente praticado!