outubro 20, 2006

Há sempre uma alma caridosa

Há sempre uma “alma caridosa” que me envia textos “inteligentes”, alguns vão directos para a “máquina arquivadora do meu pai”, outros são tão, tão, … que é impossível não comentar, por isso aqui vai a minha singela opinião sobre cada um dos textos seguintes.

Ah! é verdade, irei apresentar em duas partes, porque realmente os textos são demasiado profundos para que eu consiga dar respostas todas no mesmo dia

No entanto não quero que passem sem a frase que vinha com o respectivo mail, que essa sim não vou comentar, só por uma questão de não juntar mais um à minha longa lista de imbecis disfarçados.


O ENVIO NÃO SIGNIFICA A PARTILHA DAS OPINIÕES MANIFESTADAS, NÃO SIGNIFICANDO ISTO TAMBÉM QUALQUER DISCORDÂNCIA

Agora os vários textos, onde As minhas interpretações apresentadas com as siglas (FdA)


"Mesmo que a conduta do marido seja censurável, mesmo que este se dê a outros amores, a mulher virtuosa deve reverenciá-lo como a um deus.
FdA: sem dúvida, um marido testado por outras mulheres virá com selo de qualidade, no entanto é de referir que artigos com tanta qualidade deverão ficar encerrados em cofres para que não se deteriorem.

Durante a infância, uma mulher deve depender de seu pai, ao se casar de seu marido, se este morrer, de seus filhos e se não os tiver, de seu soberano. Uma mulher nunca deve governar a si própria.
- FdA: mais uma vez, sem dúvida nenhuma, qualquer homem envolvido na vida de uma mulher deve ter a capacidade de lhe proporcionar um estilo de vida adequado ao elevado requinte de qualquer mulher, a mulher não deverá inclusive ter qualquer conhecimento das possíveis dificuldades desses mesmo homens em lhe satisfazer as suas necessidades, isso só serviria para provocar desconforto doméstico, desta lista de homens estão excluídos os filhos enquanto livres de namoradas.


"Leis de Manu (Livro Sagrado da Índia)


"A mulher que se negar ao dever conjugal deverá ser atirada ao rio.
- FdA: exactamente, acompanhada do seu barquinho de lazer e muito protector solar, para que tenha oportunidade de retemperar os seus ânimos. "

Constituição Nacional Suméria (civilização mesopotâmica, século XX a.C.)


"Quando uma mulher tiver conduta desordenada e deixar de cumprir suas obrigações do lar, o marido pode submetê-la à escravidão.
- FdA: esta escravidão deverá passar obrigatoriamente pela vergonha de ter a presença de alguém que execute essas tarefas, apresentado esse alguém um relatório ao fim do dia com o resultado das actividades desenvolvidas. Passados 25 anos deve ser renovado o teste de conduta no lar.

Esta servidão pode, inclusive, ser exercida na casa de um credor de seu marido e, durante o período em que durar, é lícito a ele (ao marido) contrair novo matrimónio.
- FdA: o credor do marido deve ser escolhido pela mulher, se necessário através de uma nova divida contraída pelo marido, no caso da pessoa escolhida pela mulher não estar na lista inicial de credores. Aconselha vivamente que o marido venha a contrair novo matrimónio, pois é usual que o pagamento de dívidas seja muito longo, no entanto a mulher poderá eventualmente mudar de credor, optando assim por pagar diversas dividas."

Código de Hamurábi (Constituição Nacional da Babilônia, outorgada pelo rei Hamurábi, que a concebeu sob inspiração divina, século XVII a.C.)


"A mulher deve adorar o homem como a um deus.
- FdA: a adoração ao marido é um factor demasiado importante para ser tratado tão levianamente, quando se diz “adorar como a um deus” deverá querer dizer-se “adorar como a um deus que se encontra no céu”, sendo o homicídio permitido se tal for do interesse da mulher

Todas as manhãs, por nove vezes consecutivas, deve ajoelhar-se aos pés do marido e, de braços cruzados, perguntar-lhe: Senhor, que desejais que eu faça?
- FdA: aqui existe um grande problema; nove vezes é um número demasiado elevado para que o marido compreenda a questão, como tal o interlocutor deverá ser alterado e em vez de “marido” deverá ser substituído por “guarda-vestidos” e a frase deverá ser: guarda-vestidos, dá-me um sinal, diz-me se deverei ir ás compras!
Se do guarda-vestidos não sair qualquer som, significa que a mulher deverá de imediato sair de casa e entrar no mundo hostil das compras, se pelo contrário o guarda-vestidos cantar “ atirei o pau ao gato”, a mulher deverá escolher uma roupa já usada por si
"

Zaratustra (filósofo persa, século VII a.C.)

"As mulheres, os escravos e os estrangeiros não são cidadãos. "
- FdA: todos sabemos que uma mulher é uma “cidadã e não cidadão”

Péricles (político democrata ateniense, século V a.C., um dos mais brilhantes cidadãos da civilização grega)


"A mulher é o que há de mais corrupto e corruptível no mundo."
- FdA: não existe maior verdade, qualquer jóia de elevado valor, fará sorrir uma mulher e em contra-partida uma mulher através das suas doces palavras consegue corromper qualquer macho de mente fraca”

Confúcio (filósofo chinês, século V a.C.)


"A natureza só faz mulheres quando não pode fazer homens. A mulher é, portanto, um homem inferior."

- FdA: este tema está em fase de comprovação e por esse motivo alguns homens começam a juntar-se com outros homens, quando isso acontecer com todos, fica decididamente provado que as mulheres estão a mais e são inferiores, até lá o assunto terá que ficar em aberto por falta de provas

”Aristóteles (filósofo, guia intelectual e preceptor grego de Alexandre, o Grande, século IV a.C.)

3 comentários:

Anónimo disse...

não sei se me reveja nos que gostam de mulheres, se nos acham os homens superiores.
nunca pensei que as opções fossem estas, sempre pensei que os filósofos estariam certos ao longo dos séculos

iuri disse...

lamento mas as citacoes no teu email sao falsas.

filha_do_admin disse...

Iuri, se o que que dizes é verdade, estou muito mais feliz, era penoso acreditar que pessoas supostamente com alguma inteligência escrevessem estas frases.